Burocracia – se gostasse não seria médico

Formulários, carimbos e gravatinha – argh!
Estudei medicina pensando que me livraria da burocracia. Ledo engano!
No intenato começou: preencher ficha de atendimento, carimbar…
Depois piorou. Com o “advento” dos convênios, a carga burocrática se tornou insuportável. São, guias (formulários para ressarcimento), verificação de adimplência do paciente, justificativas e um monte de papelada. Uma enorme redundância de trabalho: Nome do paciente, sexo, idade, número da carteirinha, CID (código Internacional de Doenças) tudo repetitivo. E muito carimbo.
25 anos depois e aqui estamos, 2012. Muita tecnologia, muito gigabyte. Tudo informatizado!? Será?